DESTAQUE

A mulher adúltera

Imagem
O adultério resultava na expulsão da esposa de casa, pois não se podia mais garantir a legitimidade dos descentes. Era a dissolução do casamento. A seguir sintetizo o que diz o historiador grego Nokolaos Vrissimtzis sobre o adultério na Grécia clássica. Era o insulto mais severo contra a honra de um homem e seu direito de posse. O marido traído devia separar-se, sob pena de ser estigmatizdo por atimía ("perda da honra"). Honra e desonra eram conceitos de de excepcional importância na sociedade grega. A expulsão da adúltera implicava devolução do dote à família da mulher, perda financeira substancial. Assim, maridos traídos engoliam o orgulho e aceitavam o arrependimento de suas mulheres. O marido que recebia um bel dote demonstraria complacência maior em relação à pessoa.

O costume prescrevia que a mulher pega em flagrante de adultério não podia mais assistir a sacrifícios públicos. Se o fizesse, os transeuntes teriam o direito de espancá-la. Segundo Sólon, o legislador, a ad…

Grécia Clássica - Infanticídio


Na Grécia as famílias preferiam ter menos filhos para não dividir o patrimônio. 
Meninas eram menos bem-vindas que os meninos. Elas não produziam e o dote reduzia as propriedades da família. Uma gravidez acidental era indesejável para mulheres casadas, hetairas e prostitutas. Recorria-se ao infanticídio e ao abandono de crianças para a morte por inanição.

Isso era efetuado antes do décimo dia, quando, em Antenas, a criança recebia um nome, pois somente a partir daí ela passava a existir socialmente. A maior parte das vítimas era composta por crianças ilegítimas ou meninas. Os sobreviventes eram considerados escravos, e as meninas terminavam na prostituição. Algumas crianças, no entanto, tinham mais sorte; eram criadas por pessoas que a as encontravam e desejavam mantê-las consigo por algum motivo. 

Outro fator justificava o infanticídio: o excesso de mulheres sem casar.
Havia ainda a alta taxa de mortalidade masculina nas guerras. Os assassinato de meninas corrigia o desequilíbrio. Em Esparta, o próprio Estado praticava o infanticídio. Assim, os fracos, frágeis ou deformados eram lançados numa caverna profunda, próximo ao monte Taígeto, onde os espartanos também lançavam os condenados à morte.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher adúltera

O Sexo

Adultério e Divórcio

A pobreza do casamento da Grécia Clássica e a repulsa ao casamento.

Noiva raptada